Para parar a musica click no Play

domingo, 19 de dezembro de 2010

Forros de Madeira




Este tipo de forro possui instalação semelhante e muitas vezes até idêntica
 à colocação dos pisos. Por isso, os forros de madeira necessitam de vigas,
contraventamentos e tarugamentos.
Antigamente, com este tipo de forro era possível conseguir economia de materiais
 em sobrados, uma vez que as vigas e outros elementos estruturais utilizados para o
 forro do piso térreo eram aproveitados como suporte do piso do andar superior,
 caso não houvesse uma laje. Outra opção é o forro de vigamento aparente, cuja  as
 estruturas devem estar alinhadas e paralelas, contendo o mesmo distanciamento. 
São conhecidos também como lambris, possuindo encaixe macho/fêmea e podem
formar desenhos como os soalhos, nos modelos paralelos ou em diagonal.

 Há também, a colocação tipo saia-camisa, onde as tábuas-camisas sem rebaixo

 ou encaixe são apenas aparelhadas e pregadas sob o vigamento. As tábuas-saias
 apresentam menor largura e são fixadas sob as camisas, preenchendo os vazios e
 formando dois níveis diferentes. Entre os tipos de madeiras para forros estão o 
cedrinho, o ipê e o jatobá.

 A madeira ipê é a mais versátil pois pode ser aplicada em áreas internas ou externas, 

possuindo maior resistência às condições do tempo. 
Alguns tipos de pinus de boa qualidade podem ser utlizados, principalmente se o 
acabamento for de tinta a óleo ou esmalte sintético. Independentemente do tipo da 
madeira, esta deve possuir de 12 a l5% de umidade. 
Se não, elas se abrem com facilidade gerando um mal aspécto.

 A garantia dada pelo fornecedor e o instalador é um fator importante a ser levado

 em consideração. O tempo de atuação no mercado também deve ser relevado. 
Há empresas que garantem o produto por até 5 anos. Quanto a sustentação do forro, 
geralmente procede-se da seguinte forma: Em vãos de até 4 m fixamos as
réguas em caibros 6X7 ou 7X8 cm espaçados em no máximo 80 cm e apoiado nas 
paredes. 

Há necessidade de travamento na parte central utlizando-se um sarrafo de 10 cm
 preso ao madeiramento do telhado. Em vãos maiores é necessário fixar os caibros
 em vigas de 6X16 ou 6X20 cm no sentido perpendicular.
As réguas depois de encaixadas, são pregadas aos caibros com prego sem cabeça, se o
acabamento for a verniz.

 Devemos optar sempre pelo sentido do menor vão para evitar emendas.

Se houver, elas deverão situar-se sobre o apóio. Geralmente acrescentamos 10% a mais
 a área a ser forrada, devido aos recortes, se fixadas em paralelo. Se for na diagonal, esta
perda poderá chegar a 25%. Após o fechamento de toda a área fixamos o rodateto ou
 moldura, finalizando o acabamento.
Antes da pintura um lixamento se faz necessário.